ENDEPT
Gorjeoux Moon

I fucking hate men.

Active ingredient: trans manifesto

Photos by Mark Hunt.

My I fucking hate men pieces have all been precipitated as the direct reaction to transphobic aggressions, either singularly painful ones of violence either physical or linguistic, or an accumulation of microaggressions. 

What I mean with the statement  I fucking hate men is not simply a dismissive statement that I actually hate all men.

When I iterate I fucking hate men I mean I know their pain. I have their pain. I live their pain. I live it with the understanding that their entire value system is built upon a falsehood. On a lie at the very essence of manhood. That of the whore mother. Original sin. We want to fuck. And to do so we must find someone who wants to be fucked. But to want to be fucked is the ultimate crime against masculinity and its manifestation is to be hated, punished. Anyone who says yes is to always to have said yes and to say yes is to be slut, to be whore and slut is to be hated, rejected, violated, punished, dismissed with violence of act word and system. We need the purity of no, as only that purity can be loved. So turning our need to fuck into a need to violate. Yet man has a conscience. Man knows he may not violate, for how would he feel in the knowledge of his mother’s violation? 

We need our need to fuck to be denied that we may be allowed to love.

We need to deny it that we may be loved.

How do we love someone we fuck? 
How do we fuck someone we love?
How do we fuck as someone we can love?

How can society do anything but vilify anything that embodies this singular affront to masculinity systemically? Systematically? Absolutely?

In knowing the violator in ourselves, we know it in all of us. To fear it in ourselves is to fear it in all of us. We can barely trust ourselves in this dichotomic knot of love hate, how should we trust others?

So is the end goal of masculinity to stand alone. Full of hate. Full of loathing. Of the self. 

I wear this crown of thorns, upon my cowards chair, full of broken thoughts I cannot repair. 

- Love
- Love will tear us apart again
- What the hell am i doing here?
- I don’t belong here 

And so our reward system is a crown of thorns on the way to our own crucifixion that we may be martyred for not being too rapey whilst being unable to reconcile the blame of rape as the responsibility of the eternal and ever yes saying slut and so denying her voice.

Stood alone and fearful, how can we do anything but amass what safety we can in wealth that may guarantee ever safer, taller, deeper walls to our fellows? 

Stuck in the endless cycle of reward and punishment that can only allow for this one absolute that we are safer alone, how can man but hate woman for going to the bathroom together? For their girlfriends, girls’ nights and girl talks?

How can he but hate them for the closeness, the solidarity they must draw to not crumble under the weight of this violent falsehood? 

How can he but need reassurance that he is good by virtue of minimising his evil?

How can he do anything but brutalise gays? and trans women? Trans men? Anyone who steps outside the excruciating weight of gender?

Man seems to be making his peace with gay men- there’s a good chance that most of them are tops and so still within the comforts of penetrators privilege- as long as they don’t flaunt it ie. willingly show themselves to be effeminate ergo passive ergo slut, they may have an honourary status among the real men

Trans women however have gone so far as to give up their privilege, not just give it up but have willfully invoked the brutal wrath of the hand of man and for what? How can anything be worth that? And more importantly, how can what they gain in sisterhood, in solidarity be worth giving up the power and pain of standing tall and alone in patriarchy? How can someone step outside of the game? How can these rules be a game and not a singularity? It is no surprise that the rise of patriarchy has been greased by the shedding of gods into a singular all seeing all knowing ever vengeful and scheinheilg man who would violate one mary who may be holy through the violation coming from him alone, and yet vilify another for the violation she suffers at all other, lesser men?

Games are systems of rules we decide upon to allow us to enjoy engaging on equal terms and games are multitudinous and exchangeable. We opt to play them. We discuss terms and agree. Together. As time passes, they are refined, changed, improved. And so if someone can make a game of our singularly self perpetuating bait and switch, could it be that we may play by different rules we can all agree upon? To be fairer? To be more fun? Must we play only poker that rewards capital, risk and accumulation? 

When we can:


revel
in the beauty of good hands 


commiserate bad runs


laugh


at the humour of game
                 play
     grace
     loss


(share)


a space to not take failings personally

When I iterate  I fucking hate men  I mean I see your pain I live your pain, I am your pain. I mean that I see you hurt and I desperately need to forgive you your hurt, forgive you my hurt and yet cannot while you cannot accept that to accept forgiveness is to forgive one’s self and how can we forgive ourselves for being born into the lives into which we were born 

Letter to my father, as yet unfinished, as yet unsent


dad


I know we have a lot that we don’t 
know how to say 
and that’s ok
neither of us had role models for how to 
deal with the emotions we have with the 
pains we have suffered


and that is neither of our faults

I love you

Forgiveness is acceptance. Is resignation. Is resigning ones self to the fact that despite our best we have wronged. And continue in a system that wrongs. Everyone. It is resigning one’s self to the fact that We. Must. Do. The. Work. and accept our faults. Honestly. fairly, compassionately. Accept but not to forget them. The slates we have have a lifetime to wipe clean and I’d rather accept what is there and work on how to write myself anew than wallow in the horror of the world in which I allowed myself to live. I must forgive myself for having lived the life I have lived.

When i iterate I fucking hate men, I tell you that I love you. For trying your best. It means I see you hurt.

I mean I see how seeing me, seeing woman, seeing femme, seeing slut as a forgiver is to bring forth such a desperate longing and painful reminder of your own pain and judgement and need of forgiveness, your need to be worthy of forgiveness and how can you be worthy when your very self is undermined by such an evil premise?

It means I see your fear and I see your hurt and your inability to wield that hurt as the healing tool it must be having only been given it as a hammer to the anvil of anything that is necessarily the polar opposite of man.

I mean I would hold you through your release, through your anguish.

I mean I would do all of this if I wasn’t So. Fucking. Scared. Of you!

It means that while you are unable, unwilling to take account of yourself I must live in fear. For myself. For my sisters. For my brothers.

When I iterate I fucking hate men it is because I can not say this, do this, feel this every. Fucking. Time. I must suffer you and your holy privileged ignorance. Your hateful mutterances under your baited breath. Your shunts and shouts. Your fists, blades, bullets, petrol with which so many of you would have me ridden from this earth. 

I cannot forgive you while you continue to violate me. 

I cannot forgive you while you make no counter for the pain you make me live. Make us live.

I pity you as you violate me. 

I am you as you violate me.

I cannot forgive you the crime of denying me no while you cannot forgive me the ‘crime’ of wanting to say yes

I can but forgive myself

I would love you 

if you would let me.

Let me love you.

I fucking hate men.



Gorjeoux Moon

“I fucking hate men”

ingrediente ativo: um manifesto trans

As partes deste meu manifesto foram todas precipitadas como reações diretas a agressões transfóbicas, sejam elas especialmente violentas e doloridas, sejam elas física ou linguísticas, ou então um acúmulo de micro agressões.
O que quero dizer com a frase eu odeio homens não é simplesmente uma declaração desdenhosa de que eu de fato odeio todos os homens.

Quando itero que odeio homens quero dizer que conheço a sua dor. Eu tenho a dor deles. Eu vivo a dor deles. Eu a vivo com a compreensão de que o sistema de valores deles está erguido sobre uma falsidade. Sobre uma mentira na própria essência da masculinidade. A da mãe puta. Pecado original. Nós queremos foder. E para tal precisamos encontrar alguém que queira ser fudidx. Mas querer ser fodido é o crime máximo contra a masculinidade e a sua manifestação deve ser odiada, punida. Qualquer um que diga sim terá sempre dito sim e dizer sim é ser vadia, ser puta e vadia é ser odiadx, rejeitadx, rechaçadx com a violência de palavras-ato e do sistema. Nós precisamos da pureza do não, já que só essa pureza pode ser amada. Transformando assim nossa necessidade de foder na necessidade de violar. No entanto, o homem tem uma consciência. Ele sabe que não deve violar, pois como ele se sentiria ao tomar conhecimento de que sua mãe foi violada?

Precisamos negar nossa necessidade de foder para então poder-nos permitir amar. 

Precisamos que nossa necessidade de foder seja negada para que possamos então amar.

Como amamos alguém que fodemos?
Como fodemos alguém que amamos?
Como fodemos enquanto alguém que podemos amar?

Como pode a sociedade senão difamar qualquer coisa que incorpora essa afronta singular à masculinidade de forma sistêmica? Sistemática? Absoluta?

Conhecendo os violadores em nós mesmxs, conhecemos o violador em todxs nós. Temê-lo em nós é temê-lo em todxs nós. Mal podemos confiar em nós mesmxs no meio desse nó dicotômico de amor-ódio, como podemos então confiar nos outros?

O objetivo final da masculinidade é, dessa forma, o de isolar-se. Repleta de ódio. Repleta de aversão. De si. 

Visto essa coroa de espinhos, na minha cadeira de covardes, repleta de pensamentos quebrados que não consigo consertar.

- O amor. 
- O amor vai nos separar outra vez.
- Que diabos eu estou fazendo aqui?
- Eu não pertenço aqui.

E assim, nosso sistema de recompensas é uma coroa de espinhos a caminho da nossa própria crucificação. Pode ser que sejamos martirizadxs por não sermos tão violadores (“rapey”) enquanto permanecemos incapazes de reconciliar a culpa do estupro como responsabilidade da eterna puta que sempre diz sim, negando dessa forma a sua voz.

Isoladxs e temerosxs, como podemos fazer algo além de acumular a segurança que pudermos a partir de riquezas que garantirão paredes cada vez mais seguras, mais altas, mais profundas para nossos colegas? 

No ciclo sem fim de recompensa e castigo que sustém a máxima de estarmos mais seguros sozinhxs, como pode o homem senão odiar a mulher por ir ao banheiro juntas? Pelas suas melhores amigas, pelas noites das meninas, pelas conversas de garota?

Como pode ele senão odiá-las pela proximidade, pela solidariedade que elas precisam requisitar de forma a não desmoronar sobre o peso dessa falsidade violenta?

Como pode ele senão necessitar reafirmação de que ele é bom em virtude de minimizar o seu mal?

Como pode ele senão brutalizar gays? E mulheres trans? Homens trans? Qualquer umx que escapa do peso excruciante do gênero? 

O homem parece estar fazendo as pazes com os homens gays - existe uma boa chance de que a maioria deles seja ativa e, assim sendo, ainda dentro dos confortos do privilégio do penetrador - desde que não o exibam, isto é, que voluntariamente mostrem ser afeminidados portanto passivos portanto putas, os gays podem ter um status de honra entre os homens de verdade.

Mulheres trans, no entanto, foram tão longe a ponto de abrir mão de seu privilégio, não somente renunciando-o, mas também intencionalmente invocado a ira brutal da mão do homem — e para quê? Como pode algo valer isso? E mais importante, como pode a solidariedade e irmandade auferidas valerem a renúncia do poder e da dor de manter-se firme e forte sobre o patriarcado? Como se pode abandonar o jogo? Como podem essas regras serem um jogo e não uma singularidade? Não é surpresa alguma que a ascensão do patriarcado tenha sido lubrificada pela descamação dos deuses em um homem singular, hipócrita-piedoso e vingativo, que tudo vê e tudo sabe; que estupraria uma maria, justamente por esse estupro sagrada; que, no entanto, difama o próximo pela violação que ela sofre por todos os demais ‘menos’ homens?

Jogos são sistemas de regras as quais acordamos a fim de permitir-nos gozar de um engajamento em termos páreos, e jogos são também multitudinários e permutáveis. Optamos por jogá-los. Discutimos os termos e concordamos. Juntxs?. Com o passar do tempo, eles se refinam, alteram, aprimoram-se. Portanto, se alguém pode inventar um jogo da nossa armadilha que singularmente se auto-perpetua, seria possível que joguemos sob regras distintas as quais todos nós podemos acordar? Para ser mais justo? Para ser mais divertido? Somos obrigadxs a jogar somente o poker, que recompensa o capital, o risco e a acumulação?

Quando podemos:


deleitar-nos
com a beleza de brandas mãos 


comiserar-se de caminhos errôneos


rir


sobre o humor do jogo
                 aposta
     graça
     perda


(compartir)


um espaço para não levar as quedas para o lado pessoal

Quando reitero que odeio homens quero dizer eu vejo a sua dor eu vivo a sua dor eu sou sua dor. Digo, eu vejo você ferido e desesperadamente eu tenho que perdoar você pela sua mágoa, perdoar você a minha mágoa e todavia não posso enquanto você não puder aceitar que aceitar o perdão é perdoar a si mesmx e como podemos perdoar-nos por ter nascido nas vidas nas quais nascemos?

Carta a meu pai, até este momento inacabada, até este momento inexpedida


pai


eu sei que temos muita coisa que não 
sabemos como dizer
e tudo bem
nenhume de nós tinha exemplos para como
lidar com as emoções que temos com as
dores que sofremos


e isso não é a culpa de nenhume de nós 


eu te amo

Perdão é aceitação. É resignação. É resignar a si mesmo do fato que a despeito do nosso melhor nós falhamos. E continuamos num sistema que falha. Todxs. É resignar a si mesmo do fato de que Nós. Devemos. Fazer. O. Trabalho. e aceitar nossas falhas. Honestamente. de forma justa, compassivamente. Aceitar mas não para esquecê-las. As ardósias que temos possuem um tempo de vida para serem limpas e eu prefiro aceitar o que está ali e trabalhar em reescrever-me de forma nova, do que chafurdar no horror do mundo em que me permiti viver. Eu devo-me perdoar por ter vivido a vida que eu vivi.

Quando eu reitero que eu odeio homens, eu digo que amo você. Por tentarem o seu melhor. 

Isso significa que eu vejo vocês feridos.

Quero dizer, eu percebo que o fato de reconhecer a perdoara em mim, na mulher feminina e puta que sou, traz à tona um anseio desesperado e um penoso lembrete da sua própria dor e julgamento e carência de perdão, sua necessidade de ser digno de perdão - e como você pode ser merecedor se o seu próprio ser é solapado por essas premissas tão perversas?

Isso significa que vejo o seu medo e vejo a sua ferida; vejo a sua incapacidade de operá-la como ferramenta de cura; vejo sua capacidade de operá-la como um martelo para a bigorna daquilo que é necessariamente o oposto polar de ‘homem’.

Digo, eu te ampararia ao longo da sua soltura, ao longo da sua angústia.

Digo, eu faria tudo isso se eu não estivesse Assustada.Pra.Caralho. Por você! 

Isso significa que, enquanto você não tem condições nem desejo de assumir o controle do seu ser, eu tenho de viver no medo. Por mim. Pelas minhas irmãs. Pelos meus irmãos.

Quando reitero que odeio homens é porque não posso dizer isso, fazer isso, sentir isso toda. Santa. Vez. Eu tenho que suportar você e a sua sacra privilegiada ignorância. Os teus resmungos de ódio sob a tua respiração sustada. Seus desvios e rangidos. Seus punhos, lâminas, balas, petróleo com os quais tantos de vocês teriam me execrado dessa terra.


Eu não posso te perdoar enquanto você continuar a me violentar.

Eu não posso te perdoar enquanto você não compensar a dor que você me faz sentir. Nos faz sentir.

Eu tenho dó de você enquanto você me estupra.

Eu sou você enquanto você me estupra.

Eu não posso perdoar você pelo crime de renegar-me o não enquanto você não pode me perdoar pelo ‘crime’ de querer dizer sim.

Eu só posso perdoar a mim mesma.

Eu amaria você

se você me deixasse te amar. 

Deixa eu te amar.

Eu odeio homens.

Gorjeoux Moon

Ich hasse Männer

Für diesen Artikel gibt es noch keine deutsche Übersetzung.


Gorjeoux Moon

Gorjeoux Moon
A radical trans feminist artist and performer whose work interrogates love, language and patriarchy through the lens of meta-misappropriation of form.
Read more...
Gorjeoux Moon
Leia mais...
Gorjeoux Moon
Mehr lesen...